Googl 

Busca Mundial Busca  Portugalweb.net

INDEX

REGIÕES:

AÇORES

MADEIRA

ALENTEJO

ALGARVE

BEIRA INTERIOR

BEIRA LITORAL

MINHO

RIBATEJO

ESTREMADURA

TRÁS OS MONTES

APENDICE:

ALDEIAS

FOTOS

MAPAS

TEMPLÁRIOS

MONUMENTOS NACIONAIS

GLOSSÁRIO

FORTES E FORTALEZAS:

S. João Baptista

S.Neutel

S.Francisco

Forte de Santa Catarina

Fortaleza Ponta da Bandeira

Torre da Medronheira

 
Novas descobertas na área da necrópole islâmica escalabitana

A. P. V.
A pesquisa arqueológica realizada no Largo Cândido dos Reis, em Santarém, onde foi recentemente descoberto um antigo cemitério islâmico, não pára de surpreender os especialistas.

Numa área ainda por calcular, mas que se estima em 3500 metros quadrados, até agora foram identificados 129 enterramentos, sendo que 105 são islâmicos e os restantes provêem de épocas posteriores, o que leva os arqueólogos a considerarem a possibilidade de se estar perante a maior necrópole encontrada em território nacional com indivíduos em bom estado de conservação.

Esta necrópole era procurada há muito tempo na cidade de Santarém, não se sabendo, porém, a sua localização, que veio a ser detectada, por mero acaso, em Julho, durante as obras de saneamento realizadas no local. «A descoberta trouxe novos projectos de escavação a algumas necrópoles islâmicas mais conhecidas e, mais do que isso, relançou a dúvida dos limites da antiga cidade muçulmana de Shantarin», explica o arqueólogo António Matias, da secção de Arqueologia da Câmara Municipal de Santarém.

Pelos dados avaliados, «verifica-se que havia da parte dos cristãos conhecimento perfeito que no local se efectuavam enterramentos islâmicos, uma vez que a necrópole cristã está colocada na sequência da muçulmana», revela ao DN o líder da equipa de arqueologia.

António Matias não tem dúvidas que «a continuação do trabalho de campo, bem como a apresentação de um estudo paleobiológico desta vivência islâmica escalabitana é de grande importância para o conhecimento histórico nacional e mesmo internacional», pelo que, por decisão já acordada com a câmara, «não há data limite para as escavações, dependendo do que se encontrar já que há possibilidade de haver mais corpos».

Ainda de acordo com este especialista, o trabalho arqueológico é moroso e minucioso de maneira a que fiquem à vista as articulações para assim poder saber a sua posição. «É necessário fazer o registo das ossadas para tirar o máximo de informação possível e conseguir datar os esqueletos, saber a sua história e relacioná-la com a história da cidade de Santarém», especifica.

Os achados que estão nos passeios ficarão para futura investigação e o restante está a ser levado para a Reserva de Arqueologia da autarquia, para que as obras da Câmara de Santarém possam continuar

 
 
     CASTELOS NO MUNDO
  

Setubal   Guarda   Almada    Castelos  Seia  Seixal    Sesimbra  Palmela  Arqueologia   Historia        Portugal no mundo

intercâmbio  ttt   Contactos    Publicidade

Copyright © swspt.

 

 


Buy Direct Text Link Ads at Direct-Link-Ads