Googl 

Busca Mundial Busca  Portugalweb.net

INDEX

REGIÕES:

AÇORES

MADEIRA

ALENTEJO

ALGARVE

BEIRA INTERIOR

BEIRA LITORAL

MINHO

RIBATEJO

ESTREMADURA

TRÁS OS MONTES

APENDICE:

ALDEIAS

FOTOS

MAPAS

TEMPLÁRIOS

MONUMENTOS NACIONAIS

GLOSSÁRIO

FORTES E FORTALEZAS:

S. João Baptista

S.Neutel

S.Francisco

Forte de Santa Catarina

Fortaleza Ponta da Bandeira

Torre da Medronheira

 
Museu de Bagdad só volta a abrir as portas «daqui a alguns anos»

TALEK HARRIS *
Protegido por guardas armados e isolado por arame farpado, o Museu de Bagdad continua fechado ao público depois de ter sido copiosamente pilhado após a queda do regime de Saddam Hussein, há 14 meses.

A calma regressou ao local mas os responsáveis afirmam que a reabertura só se dará daqui a alguns anos, na sequência dos três dias de destruição cega e de roubos selectivos que devastaram o museu de arqueologia iraquiano em Abril de 2003.

«O edifício estava todo virado do avesso», recorda Ahmed Kamel, director da secção cuneiforme do museu. «Destruíram tudo. As portas estavam partidas e as paredes sujas de tinta. As vitrinas foram destruídas e os papéis dispersos ao vento», lamenta-se. Kamel afirma que as peças mais belas tinham sido fechadas nos depósitos para as proteger dos bombardeamentos aéreos da coligação, mas ninguém tinha imaginado uma tal anarquia.

«Nunca pensámos que as pessas pudessem vir aqui roubar porque isso nunca tinha acontecido. Talvez tenham ficado surpreendidas por não ver nada exposto e então dirigiram-se aos depósitos e levaram tudo o que podiam, em especial peças muito importantes», explica.

Cerca de 15 mil peças, algumas das quais de valor incalculável, foram pilhadas. Recuperaram-se 5 mil e este responsável espera que mais algumas voltem ainda ao museu, enquanto que outras devem ter ido parar a colecções privadas no estrangeiro.

Os funcionários estão a fazer um inventário minucioso do que foi roubado e do que escapou à rapina. Kamel está confiante que uma das 18 galerias do museu abrirá ao público no final deste ano, o que dará aos iraquianos a oportunidade de descobrir uma parte desta herança cultural única.

«Nenhum país pode orgulhar-se de possuir um tesouro tão rico como o nosso. Quando trabalhamos numa escavação arqueológica descobrimos vestígios de diferentes civilizações, a suméria, depois a acádia e a seguir a babilónica», afirma Kamel.

Os enormes touros alados talhados na pedra estão à entrada da galeria assíria do museu, onde trabalha uma equipa italiana, mas mesmo nas salas em vias de restauro as vitrinas partidas lembram as pilhagens do ano passado.

Ahmed Kamel espera que o Museu de Bagdad, inaugurado há 38 anos, mas fechado durante 10 anos após a primeira guerra do Golfo (1990-91), e há mais de um ano após a invasão de Março de 2003, mostrará um dia a grandeza do Iraque.

«Quermos ter o melhor museu do mundo. É um sonho ambicioso, mas penso que o podemos concretizar em cooperação com outros países», acrescenta.
 

 
 
     CASTELOS NO MUNDO
  

Setubal   Guarda   Almada    Castelos  Seia  Seixal    Sesimbra  Palmela  Arqueologia   Historia        Portugal no mundo

intercâmbio  ttt   Contactos    Publicidade

Copyright © swspt.

 

 


Buy Direct Text Link Ads at Direct-Link-Ads