Busca Mundial

Busca  Portugalweb.net

ALFABETOS DE ONTEM E DE HOJE

MAPA DE PORTUGAL

MONARQUIA

   DINASTIAS

REPÚBLICA

  PRESIDENCIAS

     MINISTROS

HISTÓRIAS

       Batalhas

       Batalhas Navais

 

História da Bandeira de Portugal

Bandeiras Portuguesas

Epigrafia

Página Medieval
Os Descobrimentos
Batalhas de Portugal

Apontamentos

Heróis de Portugal

Caminhos de S.Tiago

Ordens Religiosas

Portugal/Espanha

Parentesco

Século XII

Sociedade Histórica da Independência de Portugal

Colónia Penal do Tarrafal

História do Exército

    Guarda : Sé

Cabinda was a Portuguese Protectorate

 

 

OLIVENÇA INTERNATIONAL DISPUTE

Portuguese capture of Goa

Colégio Militar
menu

Bibliotecas

Voltar à Pagina Inicial

 

 

Nuno Álvares Pereira, após a heróica vitória de Aljubarrota, decidiu invadir Castela e subiu com as suas forças em direcção à aldeia de Valverde, sobre o rio Guadiana. O Mestre de Santiago e outros ilustres cavaleiros Castelhanos ocuparam com mais de 10 000 homens, entre cavaleiros, besteiros e peões, os terrenos da margem oposta do rio Valverde, observando os movimentos dos Portugueses. Destacou ainda 20 000 homens, na sua maioria gente do campo, para barrar o caminho dos Portugueses pela ponte sobre o rio, pensado infligir aí um grande revés ao herói português.
Com a sua fulminante audácia, o Condestável, apesar da desproporção das forças, não hesitou um instante. Dividiu a hoste em dois troços. Com a vanguarda e as duas alas forçou a passagem pela ponte, e veio depois buscar a reguarda, que ficara a defender as bagagens contra os repetidos ataques inimigos.
Realizada esta operação, à custa dum ataque de lanças, pedradas e setas, investiu com pleno êxito as suas tropas da frente, onde a flor das tropas castelhanas depressa se pôs em fuga, receando os juízos da fortuna.
Faltava apenas tomar um áspero cabeço, onde o Mestre de Santiago, com os seus cavaleiros e muita peonagem, constituía uma ameaça mais séria. Nuno Álvares, à frente dos seus valentes homens, atacou a ladeira, empenhando-se no furioso combate em que as lanças, flechas e pedradas choviam como granizo.
Depois de um ataque corajoso, Nuno Álvares e os seus homens puseram fim à batalha, deixando mortos no campo, entre muitos nobres Castelhanos, o próprio Mestre de Santiago.

 

 

 História da Batalha

Nuno Álvares Pereira, após a heróica vitória de Aljubarrota, decidiu invadir Castela e subiu com as suas forças em direcção à aldeia de Valverde, sobre o rio Guadiana. O mestre de Santiago e outros ilustres cavaleiros castelhanos ocuparam com mais de 10 000 homens, entre cavaleiros, besteiros e peões, os terrenos da margem oposta do rio Valverde, observando os movimentos dos portugueses. Destacou ainda 20 000 homens, na sua maioria gente do campo, para barrar o caminho dos portugueses pela ponte sobre o rio, pensado infligir aí um grande revés ao herói português.
Com a sua fulminante audácia, o Condestável, apesar da desproporção das forças, não hesitou um instante. Dividiu a hoste em dois troços. Com a vanguarda e as duas alas forçou a passagem pela ponte, e veio depois buscar a reguarda, que ficara a defender as bagagens contra os repetidos ataques inimigos.
Realizada esta operação, à custa dum ataque de lanças, pedradas e setas, investiu com pleno êxito as suas tropas da frente, onde a flor das tropas castelhanas depressa se pôs em fuga, receando os juízos da fortuna.
Faltava apenas tomar um áspero cabeço, onde o mestre de Santiago, com seus cavaleiros e muita peonagem, constituia uma ameaça mais séria. Nuno Álvares, à frente dos seus valentes homens, atacou a ladeira, empenhando-se no furioso combate em que as lanças, flechas e pedradas choviam como granizo; mas vendo que a sua reguarda, apertada vivamente por tropas castelhanas vindas da outra margem, corria grave risco, mandou à frente da batalha que entretivesse o combate e correu a acudir em pessoa o prior do Hospital, cujas tropas, apesar do seu desesperado esforço, não conseguiam desenvencilhar-se dos incessantes ataques castelhanos.
Assim conseguiu a custo arrancar a reguarda de tão crítica situação; mas nesse meio tempo, o mestre de Santiago, aproveitando o ensejo, tomou a ofensiva. Foi a fase culminante da batalha. Rezam as crónicas que nesse angustioso momento o condestável desapareceu por algum tempo e que alguns cavaleiros, que o procuravam, foram encontrá-lo entre os penhascos, de joelhos e mãos entrelaçadas, olhos erguidos ao céu e com o seu pagem de cavalo, ali perto, com a lança e o braçal; finda a oração, ergueu-se lentamente e, como se do céu houvesse recebido promessa de vitória, correu a pôr-se à frente dos seus homens e soltando o grito: «Ávante, amigos, um contra quatro!» atirou-se como um leão contra as lanças inimigas. O inimigo não pode resistir a tão ousada investida. Muitos fidalgos castelhanos, incluindo o próprio mestre de Santiago, ficaram mortos no ataque. O cabeço foi por fim tomado; e as tropas que o defendiam, abaladas por tão grande confusão, largaram as armas e fugiram numa fuga desordenada.
O condestável perseguiu-as cerca de uma légua, mas como anoitecia, teve de voltar ao campo, onde permaneceu com o seu acampamento os dias prescritos pela cavalaria para se considerar vitorioso.

terravista\valverde.htm

Guarda Almada    Castelos    Seixal    Sesimbra  Palmela  Arqueologia   Historia Portugal no mundo

intercâmbio  Adicionar Página  Contactos    Publicidade

Copyright © Ptwebs.